Resumo Por Capítulo: Minha Vida de Menina

Faça o download do eBook completo, em formato PDF:


Ou continue lendo online (com anúncios):

 

Outubro de 1893


Dia 6, sexta-feira

Renato ficou com caxumba e Helena gostou de receber diversos parentes em casa, em visita ao irmão. Tio Geraldo, padrinho de Renato, lhe enviou cem mil-réis e Helena fez graça da situação, já que o afilhado nunca havia recebido um presente seu até então.


Quando a avó Teodora encontrou Helena, ralhou com ela pelo seu comportamento, em defesa do Tio Geraldo, e a garota começou a chorar e fugiu de volta para casa. A avó chamou Helena mais uma vez e lhe deu o livro “A imitação de Cristo”, para que ela lesse e aprendesse a ter mais paciência quando os mais velhos quiserem lhe ensinar algo.

Dia 9, segunda-feira

Mestra Joaquina é vizinha da Chácara e tem uma bananeira cujo cacho dá para o quintal da avó Teodora. Chico, o macaco da família, trepou no cacho já maduro e derrubou muitas bananas. Teodora quis recolher as frutas e entregá-las para a vizinha, para que ela não pensasse que aquilo tinha sido obra de suas netas. Antes de ela fazer isso, no entanto, Helena e sua irmã comeram boa parte das bananas e esconderam o restante.


Dia 11, quarta-feira

Helena está sem vontade de realizar seus afazeres domésticos e só tem paciência para escrever no diário. Lamenta que sua saia franzida exija tantos cuidados para se passar a ferro e sente vontade de viver no passado, quando havia roupas mais simples. Ao lembrar o que sua avó falava sobre os velhos tempos, as roupas feitas a mão, a escrita a pena, a falta de fósforos para fazer fogo, reconsidera seu desejo.


Dia 17, terça-feira

Fifina, a inquilina indesejada da avó de Helena, foi passar uns dias na tia Aurélia e parecia que ela se mudaria para lá. Aurélia, no entanto, não demorou a “devolver” a hóspede para sua mãe.


Dia 23, segunda-feira

Helena relata que escrevera algo errado que seria motivo de riso para suas colegas, caso o professor Seu Sebastião tivesse lido: ao invés de “um dia aziago” (de má sorte), escreveu “um dia em águas”. A garota acredita que isso ocorreu por ser muito distraída e por sua mania de sair escrevendo tudo o que ouve por aí.


Dia 28, sábado

No jantar de aniversário de tia Carlota a família, que costuma beber o doce vinho do Porto, experimentou a produção da adega local. Apesar de ser “ruim como cobra, azedo como limão”, a bebida logo se esgotou.


Dia 31, terça-feira

Durante este mês Helena rezou o terço na Igreja por conta do Rosário. Ela lamenta que não possa rezar sempre lá, já que na casa da avó as rezas são sempre mais longas. A garota não acha rezar a melhor coisa da vida, mas não pode passar um dia sem o terço, nem um domingo sem uma missa.

 

Faça o download do eBook completo, em formato PDF:


Ou continue lendo online (com anúncios) navegando abaixo:


Publicidade
Publicidade