Resumo Por Capítulo: Macunaíma

Faça o download do eBook completo, em formato PDF:


Ou continue lendo online (com anúncios):

16 - Uraricoera

Macunaíma tinha doenças respiratórias, resultado do tempo passado em São Paulo, e mal brincava com a princesa. Navegando pelo rio Uraricoera, ele passou pelo forte São Joaquim e cruzou com João Ramalho (explorador português do tempo do descobrimento). Tentou recuperar sua consciência, que havia deixado na ilha de Marapatá, mas não a encontrou – em seu lugar usou a consciência de um hispano-americano.


Os irmãos reclamavam que Macunaíma não ajudava na busca por alimentos, que estava cada vez mais difícil. Jiguê conseguiu com um feiticeiro uma cabaça e uma viola mágica que atraíam peixes e caças. Macunaíma descobriu seu truque e, ao tentar utilizá-lo, perdeu os instrumentos encantados.


Jiguê se recusou a procurar comida e Macunaíma resolveu se vingar: fez um anzol de dente de sucuri, que continha veneno, e esperou que o irmão se ferisse com o objeto quando fosse pescar. O plano deu certo, Jiguê foi contaminado e se desfez em feridas que cresceram por seu corpo: restou apenas sua sombra. A princesa, que ultimamente brincava com o irmão de Macunaíma, ficou enfurecida e mandou a sombra envenenada perseguir o herói.


Macunaíma contaminou-se com lepra ao comer bananas feitas pela sombra de seu irmão. Certo de sua morte, o herói resolveu passar a doença para diversas formigas e animais que havia por perto. A sombra permaneceu em seu ombro e todo alimento que Macunaíma tentava ingerir, a sombra devorava. O herói jogou um peixe bem longe, na Guiana, e assim se livrou da sombra (que foi buscar o peixe).


Sem encontrar Macunaíma, a sombra resolveu empoleirar num boi, alimentando-se de tudo o que ele ia comer. Nesse período a sombra cantava diversas canções que se tornariam os hinos da festa do Boi-Bumbá, até que o boi morreu. Os urubus engoliam a carniça do animal quando a sombra montou num deles, o Pai do Urubu, que passou a ter duas cabeças.

Faça o download do eBook completo, em formato PDF:


Ou continue lendo online (com anúncios) navegando abaixo:


Publicidade
Publicidade