top of page

1964 itens encontrados para ""

  • Machado de Assis

    Machado de Assis Sua vida Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro, em 21 de junho de 1839, filho de um pintor de paredes mulato e uma lavadeira portuguesa. Ficou órfão de mãe muito cedo e foi criado pela madrasta. Não teve uma educação formal, mas aprendeu a ler e a escrever por conta própria, além de estudar francês e latim com amigos e padres. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Desde cedo, demonstrou interesse pela literatura e publicou seu primeiro poema aos 15 anos. Trabalhou como aprendiz de tipógrafo, revisor, redator e funcionário público. Fez amizade com importantes intelectuais da época, como Quintino Bocaiuva, José de Alencar e Joaquim Nabuco. Em 1869, casou-se com Carolina Augusta Xavier de Novais, uma senhora portuguesa que o apoiou em sua carreira literária e cuidou de sua saúde frágil. Machado sofria de epilepsia e tinha problemas visuais. O casamento durou 35 anos, até a morte de Carolina, em 1904. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Em 1896, Machado foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras (ABL) e ocupou a cadeira nº 23. Foi presidente da instituição por dez anos. Morreu no Rio de Janeiro, em 29 de setembro de 1908, aos 69 anos. Sua obra Machado de Assis escreveu nove romances, mais de 200 contos, cerca de 600 crônicas, dez peças teatrais, cinco coletâneas de poemas e vários ensaios e artigos. Sua obra é dividida em duas fases: a primeira, chamada romântica ou ingênua, compreende os romances Ressurreição (1872), A Mão e a Luva (1874), Helena (1876) e Iaiá Garcia (1878), além das poesias de Crisálidas (1864), Falenas (1870), Americanas (1875) e Ocidentais (1901). Nessa fase, Machado segue os padrões do romantismo brasileiro, com histórias de amor idealizado, personagens nobres e linguagem sentimental. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A segunda fase, chamada realista ou madura, compreende os romances Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891), Dom Casmurro (1899), Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908), além dos contos reunidos em Papéis Avulsos (1882), Histórias da Meia-Noite (1873), Histórias sem Data (1884), Várias Histórias (1896), Páginas Recolhidas (1899) e Relíquias da Casa Velha (1906). Nessa fase, Machado inaugura o realismo no Brasil, com uma visão crítica da sociedade e da natureza humana. Suas obras são marcadas pelo humor irônico, pela análise psicológica dos personagens e pela quebra da linearidade narrativa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Curiosidades - Machado era um grande admirador da obra de William Shakespeare e traduziu algumas peças do dramaturgo inglês para o português. - Machado foi o primeiro escritor brasileiro a usar o recurso do narrador defunto em Memórias Póstumas de Brás Cubas. - Machado era um leitor voraz e tinha uma biblioteca pessoal com mais de mil livros em vários idiomas. - Machado era um apaixonado por xadrez e chegou a participar de torneios na época. - Machado foi homenageado com seu rosto estampado na nota de mil cruzados, em 1987. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Relevância literária Machado de Assis é considerado um dos maiores escritores da língua portuguesa e um dos mais importantes da literatura universal. Sua obra é admirada por leitores e estudiosos de todo o mundo, tendo sido traduzida para mais de 20 idiomas. Sua influência é perceptível em diversos autores brasileiros e estrangeiros, como Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Jorge Luis Borges, José Saramago e Salman Rushdie. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Machado de Assis retratou com maestria a sociedade brasileira do século XIX, mas também abordou temas universais e atemporais, como o amor, a morte, a loucura, a ambição, a traição, a vaidade e o egoísmo. Suas obras são ricas em ironia, humor, crítica social e reflexão filosófica. Seus personagens são complexos, contraditórios e humanos. Suas histórias são envolventes, surpreendentes e provocativas. Machado de Assis é um escritor que merece ser lido, relido e celebrado por sua genialidade, originalidade e relevância.

  • Campo Geral - Resumo Geral

    Resumo Geral Miguilim, um garoto de oito anos, reside no isolado Mutúm, cercado por uma natureza deslumbrante, mas sua mãe anseia por uma vida além dessas montanhas. Durante uma viagem para o crisma, Miguilim sente profunda saudade de casa, apesar da atenção carinhosa do tio Terêz. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Reflexões sobre suas origens e lembranças da infância permeiam os pensamentos de Miguilim, que relembra momentos marcantes antes de se mudarem para o Mutúm. A jornada para essa nova terra é narrada com ricos detalhes sensoriais e emocionais. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Ao retornar do Sucurijú, Miguilim enfrenta desapontamentos familiares e a indiferença de sua mãe em relação à beleza do Mutúm. Conflitos com o pai sobre a atenção dada à mãe e os cuidados com os pássaros revelam tensões domésticas. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Um episódio de violência surge quando Miguilim tenta defender sua mãe, resultando em castigo pelo pai. A solidão de Miguilim é acompanhada pela preocupação com os animais da fazenda e pela complexa dinâmica familiar. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A vida cotidiana na fazenda é interrompida por uma tempestade, trazendo momentos de união em meio ao caos. Miguilim e Dito compartilham reflexões sobre a vida e a morte, evidenciando a profundidade de seus pensamentos e medos. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Miguilim recorda uma experiência de quase morte, refletindo sobre fé e superstição. A tensão é exacerbada pela presença de visitantes controversos e a complexa rede de relações e crenças que moldam a vida no Mutúm. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Uma doença de Miguilim traz uma introspecção sobre a fragilidade da vida, enquanto a família e a comunidade se mobilizam em busca de cura. A narrativa explora a interseção entre o cuidado, a superstição e a esperança em tempos de crise. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A perda do irmão Dito marca profundamente Miguilim, desencadeando um processo de luto e desilusão. A comunidade se reúne em solidariedade, mas a dor pessoal de Miguilim revela a complexidade do luto na infância. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE As tensões familiares aumentam com as suspeitas do pai de Miguilim sobre a traição de seu colega de trabalho, Luisaltino, com sua esposa. O assassinato de Luisaltino pelo pai, seguido de seu suicídio é o ápice da tragédia familiar, mas que precede boas novas. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Enquanto Miguilim segue limitado por uma doença insistente, Tio Terêz ressurge e pede sua mãe em casamento. Vovó Izidra não concorda com a situação e vai embora da casa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Miguilim descobre que possuía a visão limitada por uma miopia, ao experimentar os óculos do Dr. Lourenço, que oferece a ele moradia na cidade, onde poderia receber cuidados de saúde e educação formal. Em um momento de descoberta e despedida, Miguilim vê pela primeira e última vez em detalhes a beleza do Mutúm e de todos seus moradores, recebendo o apoio familiar para ir além de suas fronteiras.

  • Campo Geral - Análise dos Personagens

    Análise dos Personagens Miguilim - Um menino de oito anos marcado por uma profunda sensibilidade e uma visão peculiar do mundo que o rodeia, vive no Mutúm, um ambiente isolado e repleto de desafios naturais e familiares. Sua jornada é marcada por momentos de descoberta, dor e, eventualmente, uma busca por sentido e identidade, que culmina em uma transformação pessoal significativa, impulsionada por um diagnóstico tardio de problemas de visão. Este diagnóstico abre novas perspectivas para Miguilim, tanto literal quanto metaforicamente, levando-o a um caminho de autoconhecimento, reconciliação com suas percepções do mundo e o início de uma nova etapa de vida longe do Mutúm, mas enriquecido pelas experiências vividas ali. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Mãe de Miguilim ou Nhanina - Envolta em contradições e desejos reprimidos, oscila entre seu papel de cuidadora dedicada e sua insatisfação com a vida confinada no Mutúm. Sua relação com o marido é complexa, marcada por momentos de tensão e a sugestão de traições, reforçando a visão uma mulher dividida entre seus deveres familiares e seus desejos pessoais. Sua vontade de conhecer outros lugares reflete-se na maneira como ela encoraja Miguilim a expandir seus horizontes, aceitando a partida do filho para a cidade. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Pai de Miguilim ou Nhô Bernardo - Um homem dividido entre o amor pela família e as pressões de manter a autoridade e prover sustento em um sertão desafiador. Sua relação com Miguilim e os outros membros da família é marcada por momentos de severidade e distanciamento, fruto de uma educação rígida e da dificuldade em expressar afeto. Ao mesmo tempo, revela-se vulnerável aos tumultos emocionais, como demonstrado pela decisão extrema de tirar a própria vida após assassinar Luisaltino, suspeito de traição com sua esposa, lançando uma sombra duradoura sobre a família e, especialmente, sobre Miguilim, que luta para compreender e reconciliar-se com a imagem de um pai simultaneamente protetor e profundamente falho. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Tio Terêz - Diferente do pai de Miguilim, o tio demonstra uma abertura emocional e um carinho que fazem dele um refúgio e uma fonte de consolo para ele, contribuindo para a visão de mundo de Miguilim, seja através de ensinamentos práticos ou pelo simples ato de proporcionar momentos de alegria e alívio das tensões familiares. No entanto, sua presença também é envolta em controvérsias, especialmente diante das acusações de traição que o fazem ser “expulso” por Vovó Izidra. Apesar disso, sua influência sobre Miguilim permanece predominantemente positiva, tanto que o garoto o aceita de volta, após a morte de seu pai, para juntar-se oficialmente à sua mãe. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Vovó Izidra - Tida como matriarca da família, temida e respeitada, sua presença é significativa nas decisões familiares, no cuidado com Miguilim e na defesa das tradições. Ela se destaca ao tomar a frente para mandar Tio Terêz embora, ao perceber a ameaça que ele representa para a estabilidade familiar. É uma figura sempre presente nos momentos adversos, com rezas e carinhos. Ela acaba deixando a família quando fica sabendo que Terêz se casaria com a mãe de Miguilim. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Vovó Benvinda - Avó de Miguilim de fato, já falecida, é apenas citada por Vovó Izidra, sua irmã, que a tinha como um a “mulher à toa”, o que inclusive justificaria a infidelidade de sua filha, mãe de Miguilim. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Dito - Irmão mais novo de Miguilim, é um personagem luminoso dentro da narrativa, carregando consigo uma aura de pureza e sabedoria precoce que transcende sua pouca idade. Seu vínculo com Miguilim é profundo, oferecendo ao protagonista momentos de genuína alegria e companheirismo em meio às adversidades do dia a dia no Mutúm. Dito destaca-se por sua capacidade de enxergar beleza e esperança onde outros veem apenas desolação, influenciando de maneira significativa a percepção de mundo de Miguilim. Sua morte prematura é um dos eventos mais impactantes da história, marcando um ponto de virada na vida de Miguilim e deixando um vazio irrecuperável na família. Dito representa não apenas a perda da inocência na trajetória de Miguilim, mas também o amor incondicional e a possibilidade de enxergar a vida com olhos de quem sabe encontrar magia nos detalhes mais simples. Sua presença e lembrança continuam a influenciar Miguilim, servindo como uma bússola moral e emocional para o protagonista enfrentar os desafios que surgem em seu caminho. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Tomézinho - Outro irmão de Miguilim, contribui para a dinâmica familiar com sua inocência e presença discreta, contrastando com as personalidades mais complexas de Miguilim e Dito. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Chica - Irmã de Miguilim, de cabelos escuros, é a mais travessa da casa, também vítima de constantes castigos. Perspicaz, demonstra ter uma percepção crítica do mundo. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Drelina - Irmã de Miguilim, descrita como bonita e loira, tem momentos de conflito com Miguilim, assim como de aproximação, como quando promete casar-se com ele, quando estava muito enfermo. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Liovaldo - Irmão mais velho de Miguilim que fora criado pelo tio, demonstra um caráter completamente diverso ao da família, declaradamente malicioso, o que motiva a fúria de Miguilim em um episódio em que ele ataca gratuitamente o pobre Grivo e seus patos. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Osmundo Cessim - Tio de Miguilim que cria seu irmão Liovaldo e surge durante a história com presentes para a família e uma inexplicável antipatia por Miguilim. Rosa e Maria Pretinha - Empregadas na casa de Miguilim que participam da vida cotidiana da família, contribuindo para o cuidado dos irmãos e a manutenção da casa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Mãitina - Cozinheira negra da família, marcada por momentos de conflito com Vovó Izidra, por conta de seus costumes supostamente opostos à tradição familiar, mas que ainda assim se apresenta como oferta de conforto e apoio a Miguilim, especialmente após a morte de Dito. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Vaqueiro Salúz - Companheiro de trabalho do pai de Milguilim e morador da vizinhança, oferece constantes palavras de apoio e sabedoria a Miguilim, servindo até mesmo de anfitrião para ele, durante alguns dias, quando o menino enfrentava problemas familiares e por isso precisava se distanciar dos parentes. Salúz apresenta a Miguilim uma prspectiva positiva sobre a vida no sertão, com a beleza de suas paisagens e criações de gado. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Luisaltino - Novo morador que se torna parte da família de Miguilim, trazendo consigo um interessante papagaio, o Papaco-o-Paco. Sua chegada inicialmente gera um novo ânimo familiar, mas se desvirtua ao repetir a história de Tio Terêz, desembocando em sua morte pelo pai de Miguilim. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Grivo - Um pequeno menino pobre da região que compartilha a dura realidade de sua vida com Miguilim. Vítima da violência gratuita de Liovaldo, é defendido heroicamente por Miguilim. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Seo Aristeu - Curandeiro carismático que visita Miguilim durante sua doença, oferecendo conforto e promessas de aventuras futuras. Sua presença traz alívio e alegria a Miguilim em um momento de desespero. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Seo Deográcias - Visitante frequente da família de Miguilim, conhecido por seus remédios caseiros e por estar supostamente excomungado. Ele examina Miguilim quando o menino fica doente e reflete sobre a vida com um olhar sombrio, especialmente após a morte de seu filho. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Patorí - Filho de Seo Deográcias, tinha temperamento conflituoso e acaba, diz-se, por acidente, matando um jovem. Após desaparecer numa fuga pelo sertão, é encontrado morto, talvez pela fome ou pelo calor. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Dr. José Lourenço - Médico do Curvelo que diagnostica a visão ruim de Miguilim, permitindo ao menino ver o mundo claramente pela primeira vez. Sua intervenção é um ponto de virada, oferecendo esperança e uma nova direção para a vida de Miguilim. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 24

    Parte 24 O tal senhor era o Dr. José Lourenço, do Curvelo, que faz testes de visão no garoto ao chegar à sua casa. Ao provar os óculos do doutor, pela primeira vez Miguilim enxerga em detalhes a própria família, ficando extasiado ao reconhecer a beleza de sua mãe e irmãos. Também a paisagem, desde as árvores e até os grãos de areia são agora ricos em detalhes, causando um misto de admiração e deslumbramento no menino. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A mãe de Miguilim, apesar de emocionada, apoia a sugestão do doutor de levar Miguilim para a cidade, onde ele poderá adquirir óculos apropriados e ter acesso à educação. Seria uma separação dolorosa, mas necessária para Miguilim. Como incentivo, a mãe de Miguilim permite que ele use as botinas do Dito para a viagem, numa demonstração de que mesmo distante, poderia sentir a presença familiar por outros meios. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE No momento da partida, Miguilim pede emprestado novamente os óculos do Dr. Lourenço e observa carinhosamente, talvez pela última vez, o Mutúm, suas matas, seu gado, seus morros, sua casa, o quintal. Então passa a observar todas as pessoas que o circundam: sua mãe, seus irmãos, Rosa e Mãitina, os vizinhos. Um comentário sobre a semelhança do tio Terêz com seu pai é motivo de risos, lágrimas e beijos de sua mãe. Ele enfim reconhece a beleza do lugar que sempre foi seu lar. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Este foi o Resumo Por Capítulo do livro Campo Geral, de Guimarães Rosa. Veja a seguir a análise dos personagens e um resumo geral da obra. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 23

    Parte 23 Após acordar, Miguilim recebe a visita de sua mãe, que está emocionalmente abalada. Ela tenta confortá-lo, assegurando que a morte do pai não foi culpa de ninguém. Miguilim apenas indaga como estão seus irmãos e, após sua mãe assegurar que estavam todos bem, o menino expressa o desejo de poder continuar doente e isolado, permitindo-se chorar por tudo o que passara. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Seo Aristeu visita Miguilim e procura animá-lo com seu humor característico e rimas divertidas. Essa interação traz um pouco de leveza ao ambiente pesado da casa de Miguilim. O menino, ainda frágil e melancólico, começa a melhorar lentamente, mas sua dieta e atividades permanecem limitadas. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Vovó Izidra se despede de Miguilim, decidindo deixar a casa, no mesmo momento em que Tio Terêz se muda para lá e assume o papel paterno da família. Miguilim demonstra indiferença em relação a essas mudanças, confessando achar todo mundo “meio bobo”. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Conforme Miguilim recupera sua saúde, ele volta a explorar o mundo fora de casa, mas com perspectivas diferentes. Ele lembra os ditos do Dito e suas ideias sobre a necessidade de ser "alegre nas profundas", mesmo diante das adversidades. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Num desses passeios Miguilim encontra um alto senhor muito bem-vestido, de branco, usando óculos, que viajava com um camarada. O homem se interessa por Miguilim ao saber sobre seu finado irmão Dito. Percebendo que Miguilim apertava os olhos para observá-lo, supõe que o garoto não seja “limpo de vista”. Pede, então, para visitar sua família. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 22

    Parte 22 Liovaldo e tio Osmundo Cessim mais uma vez os visitavam, e após mais um desentendimento entre os garotos, o tio comenta com o pai de Migilim sobre a forte personalidade seu filho. A partida de Liovaldo e Osmundo traz um alívio temporário para Miguilim, que começa a alimentar a ideia de deixar sua casa, embora não saiba como ou quando isso poderá acontecer. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Enquanto trabalha na roça, Miguilim busca refletir sobre as lições de Dito e planeja cumprir promessas como forma de buscar algum sentido ou consolo. Subitamente, entretanto, ele começa a sofrer de uma doença misteriosa, apresentando sintomas como vômitos, febre alta e dores intensas. A preocupação e o cuidado da mãe e de outros familiares são imediatos, mas Miguilim se sente cada vez mais fraco e desorientado. Até mesmo seu pai revela pesar por Deus querer levar mais um filho seu. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE O estado de saúde de Miguilim piora, fazendo-o passar por momentos de delírio e sofrimento agudo. Em meio à sua doença, ele é informado sobre um ato terrível cometido pelo pai, que assassinou Luisaltino. Esta notícia chocante agrava o estado de Miguilim, que implora para não ser morto em um momento de desespero e confusão. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Vovó Izidra assume um papel marcante durante este período difícil, cuidando de Miguilim e rezando por ele. Ela é a fonte de conforto e estabilidade em meio ao caos que se instala na família e na mente de Miguilim. A presença constante e as orações de Vovó Izidra oferecem a Miguilim um certo grau de paz em um momento de grande turbulência emocional. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Ao final, ela revela que também seu pai já estava morto, tendo se enforcado tempos depois de ter matado seu companheiro de trabalho. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 21

    Parte 21 Após o conflito físico com o irmão Liovaldo e a severa punição por parte do pai, Miguilim é enviado para passar alguns dias com o vaqueiro Salúz. Antes de partir, ele expressa preocupação com o bem-estar dos seus passarinhos, um sinal de sua natureza sensível e carinhosa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A estadia com o vaqueiro Salúz oferece a Miguilim uma pausa bem-vinda das tensões em casa. Ele se envolve nas atividades do vaqueiro, como o campeio do gado, e encontra alívio e prazer nas paisagens e sons da natureza. Durante esse período, Miguilim reflete sobre sua situação familiar e segue a nutrir uma aversão crescente por seu pai e por outros membros da família, exceto por Mãitina e Rosa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Em um momento simbólico Miguilim observa o vaqueiro Salúz tocando berrante e testemunha a rápida reação do gado, revelando a beleza e a gradiosidade da vida rural. Imerso nesse ambiente, o garoto experimenta uma sensação de liberdade e a admiração pelos Gerais, que contrasta com suas experiências anteriores. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Após seu retorno à família, a tensão entre Miguilim e seu pai se mantém. Esperando outra sessão de punição, Miguilim se surpreende quando, em vez disso, seu pai solta todos os seus passarinhos e destrói as gaiolas. Este ato consolida o fim da inocência e um rompimento ainda maior na relação entre pai e filho. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Miguilim reage destruindo também seus brinquedos e outros objetos pessoais, num gesto que reflete sua raiva e uma tentativa de se desapegar das memórias e afetos do passado. Mesmo assim Miguilim acaba chorando pela perda de um casal de tico-ticos-reis que ele havia capturado. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 20

    Parte 20 A inesperada visita do irmão de Miguilim, Liovaldo, e do tio Osmundo Cessim, traz um intervalo de alegria e novidade para a família. Tio Osmundo, um homem imponente e bem-apessoado, presenteia a família com diversos itens, mas demonstra uma antipatia inexplicável por Miguilim. Liovaldo, por sua vez, exibe uma personalidade maliciosa e inconsequente, muito diferente do sensível Dito. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Miguilim é o único a ser pressionado a trabalhar, mesmo com a presença dos visitantes. Ele realiza tarefas duras como levar leite ao distante Bugre e sofre com provocações e ataques de meninos locais durante o trajeto, que eram filhos dos inimigos de seu pai. Essas experiências exacerbam seu sentimento de isolamento e incompreensão. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE É marcante a reflexão de Miguilim sobre as palavras de Dito, revelando sua maturidade emergente e uma inevitável busca por significado em meio às dificuldades. Miguilim pondera sobre a possibilidade de fazer promessas e cumprir boas ações mesmo sem que o pedido ainda tenha sido atendido, inspirado num pensamento deixado por Dito. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Ocorre um brusco conflito entre Miguilim e Liovaldo, que gratuitamente maltratava o pobre Grivo e seus patos. Miguilim, indignado com a crueldade do irmão, ataca Liovaldo fisicamente, o que leva a uma punição severa e injusta por parte do pai, que o castiga brutalmente, exacerbando o ressentimento e a alienação de Miguilim. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Este episódio violento é fundamental para a evolução de Miguilim, que começa a compreender os sentimentos de raiva e desprezo que ele nutre pelo pai. O menino acaba rejeitando inclusive a empatia de sua mãe, simbolizando uma quebra definitiva de sua inocência infantil e uma crescente desilusão com as figuras de autoridade em sua vida. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 19

    Parte 19 Miguilim é incentivado a trabalhar mais na fazenda, realizando tarefas como debulhar milho e capinar. Ele tenta imitar o irmão falecido, mas se vê incapaz de replicar a bondade e a pureza de Dito. Miguilim começa se sente mais distante das pessoas, alimentando uma raiva silenciosa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A atitude de Miguilim para com a vida vai se tornando mais apática, e ele começa a questionar o sentido de tudo ao seu redor. Seu pai, constantemente irritado, o critica severamente, chegando a afirmar que preferia que a morte o tivesse levado no lugar de seu irmão. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE As interações de Miguilim com outros personagens, como Seo Deográcias e o vaqueiro Salúz, refletem uma busca contínua por compreensão e pertencimento. Seo Deográcias, mergulhado em tristeza, compartilha reflexões sombrias sobre a vida, enquanto o vaqueiro Salúz oferece palavras de encorajamento, ao perceber que é o momento de Miguilim crescer e amadurecer. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Um aspecto simbólico levante é a presença do gato Sossõe, que se deita no lugar onde Dito costumava dormir. A resistência de Miguilim em aceitar a ausência permanente do irmão é evidenciada por sua tentativa de trazer o gato para dormir com ele, mesmo contra a proibição de seu pai. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Fica evidente a dificuldade de Miguilim em se adaptar às responsabilidades crescentes. Seu pai tenta envolvê-lo na gestão da fazenda, mas Miguilim se mostra incapaz de se engajar nas tarefas, fazendo com que o pai desconfie da sua capacidade para qualquer coisa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 18

    Parte 18 Miguilim sofre intensamente ao lado de Dito, cativando seus afetos nesses últimos momentos de permanência corpórea do irmão. A mãe de Miguilim, acariciando delicadamente o pé machucado do pequeno, expressa a essência do amor maternal. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A comunidade se reúne em vigília ao redor do corpo de Dito, transformando-o quase em um "principezinho”. Miguilim cochila e acorda na cama de seus pais, surpreendendo-se com a quantidade de convidados. A ausência de Tio Terêz é questionada por Miguilim, pontuando que esta não era a primeira vez em que ele perdia uma companhia importante. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE As preparações para o funeral seguiram com muita trabalheira para alimentar os visitantes. Um luto coletivo inunda o cenário, com cada personagem demonstrando sua dor de maneira única. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A dificuldade de Miguilim em processar a morte do irmão é evidente. Ele oscila entre a raiva, a confusão e uma profunda tristeza, incapaz de se reconciliar com a realidade da perda. As lembranças de sua mãe sobre a beleza e a inocência de Dito durante os preparativos do funeral só aprofundam sua dor. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Miguilim encontra consolo em figuras inesperadas, como Rosa e Mãitina, que oferecem perspectivas diferentes sobre a morte e o luto. Mãitina ajuda Miguilim a criar um memorial secreto para Dito, enterrando objetos que eram seus. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Uma aura melancólica cercava Miguilim, que vagava em busca de lembranças do irmão perdido, fazendo com que seu pai e sua avó demonstrassem preocupação, sugerindo que ele se ocupasse com algum trabalho para superar o luto e seguir em seu amadurecimento. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 17

    Parte 17 Dito, ainda acamado devido ao ferimento no pé, pede a Miguilim para ficar informado sobre os acontecimentos da fazenda, mostrando seu interesse pelo bem-estar dos animais e das pessoas ao seu redor. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE A condição de Dito piora drasticamente, causando alarme na família. Luisaltino sai em busca de remédios, enquanto Vovó Izidra aplica tratamentos caseiros e encoraja orações. A situação do Dito torna-se tão grave que ele começa a sofrer intensas dores de cabeça, aumentando o clima de desespero na casa. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Nesse contexto, Miguilim demonstra uma dedicação constante ao irmão, recusando-se a sair de seu lado e ainda criando histórias para entretê-lo. A inocência e a simplicidade das interações entre os irmãos são um contraponto tocante à dura realidade da doença. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Simultaneamente, a finalização do presépio para o Natal por Vovó Izidra simboliza um momento de esperança e renovação, mesmo em meio à tristeza que envolve a família, refletindo a riqueza cultural e a importância da fé na vida da comunidade. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE À medida que a condição de Dito se agrava, a casa se enche de visitas que vêm prestar solidariedade, incluindo figuras conhecidas como Seo Aristeu e Seo Brízido Boi, entre outros membros da localidade. Essa reunião evidencia o forte senso de comunidade e a maneira como as adversidades são enfrentadas coletivamente. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE O capítulo culmina com Dito compartilhando com Miguilim seus sentimentos e pensamentos finais, revelando uma maturidade e compreensão da vida que transcendem sua idade. Para o irmão, deixou palavras finais de motivação: “Sempre alegre, Miguilim... Sempre alegre...”, era o que resumia sua filosofia. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE Finalmente, a morte de Dito é anunciada, representando uma perda devastadora para Miguilim e para toda a família. O protagonista fica entre entre o desespero e a resignação, revelando a profundidade da dolorosa experiência do luto na infância. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

  • Campo Geral - Parte 16

    Parte 16 Uma nova fase de adversidades na vida de Miguilim e sua família começa com o vaqueiro Salúz perdendo um pé de espora e sofrendo com dores nos dentes, que ele acredita ser um problema de hemorroidas. O clima sombrio é acentuado pela trágica morte do cachorro Julim, atacado por um tamanduá-bandeira durante uma caçada frustrada de anta. A brutalidade do ataque choca a todos, especialmente o pai de Miguilim, que fica profundamente abalado pela perda e pelo sofrimento do animal. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE As pequenas tragédias cotidianas continuam. Tomézinho é ferroado por um marimbondo, e a família utiliza remédios caseiros para aliviar a dor. Miguilim, ao tentar acariciar o touro Rio-Negro, é ferido pelo animal, gerando raiva e confusão em suas emoções. Em um momento de dor e frustração, ele briga fisicamente com seu irmão Dito, mas logo percebe seu erro e busca reconciliação. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE O dia se complica ainda mais quando o mico-estrela da família foge, causando um alvoroço enquanto todos tentam capturá-lo. Durante a confusão, Dito sofre um corte profundo no pé, e a família se mobiliza para cuidar do ferimento. Esse incidente, somado aos outros, sublinha a vulnerabilidade e os desafios da vida no sertão, onde a felicidade é frequentemente interrompida por infortúnios e perigos. CONTINUE LENDO APÓS A PUBLICIDADE

bottom of page