Vidas Secas
Graciliano Ramos

capítulo anterior     |    Índice da Obra     |     próximo capítulo

Capítulo 9 - Baleia - Resumo
A cachorra Baleia estava para morrer. Os pelos caíam, manchas negras surgiam em sua pele, cheia de feridas e sangramentos. Sua boca inchada e com chagas dificultava que bebesse ou comesse.

Fabiano entendeu que seria melhor matá-la de vez, para evitar mais sofrimento. Sinhá Vitória entendia que o procedimento também era necessário.

Quando Fabiano começou a preparar sua espingarda os meninos perceberam o que iria acontecer e ficaram alvoroçados... Ela era parte da família. A mãe levou-os ao quarto e tapou-lhes os ouvidos.

Baleia percebeu o estranho movimento de seu dono, com a arma apontada. O tiro atingiu somente a parte traseira da cachorra, que saiu se arrastando, latindo e chorando. As crianças se desesperaram, Sinhá Vitória rezou, Fabiano se recolheu.

Baleia procurou chegar aos juazeiros, onde havia um lugar em que se sentia confortável. Mas nem conseguiu. Parou no caminho. Surgiu uma névoa branca, em seguida tudo se escureceu. Sentiu cheiro de preás, ouviu o barulho das cabras, pensou em morder Fabiano mas logo desistiu, ele era seu mestre, fosse como fosse. Em meio a diversas visões de sua vida, Baleia quis dormir para acordar num mundo cheio de preás, gordos, enormes.

 capítulo anterior     |    Índice da Obra     |     próximo capítulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário