Vidas Secas
Graciliano Ramos

capítulo anterior     |    Índice da Obra     |     próximo capítulo

Capítulo 12 - O mundo coberto de penas - Resumo
O mulungu (espécie de árvore) próximo ao bebedouro se enchia de aves de arribação (que fazem migração de acordo com as estações). Elas bebiam água e seguiam em direção ao sul.

Dona Vitória comentou com seu marido que as aves matariam o gado, ao beber sua água, que já secava. Dentro de sua curta capacidade de compreensão, Fabiano demorou um pouco para entender a relação entre as aves e o gado... Como poderia um bicho de penas matar um gado!? Enfim compreendeu e tomou uma atitude.

Com a espingarda em mãos, que tristemente lembravam Baleia, Fabiano foi até o mungulu dar diversos tiros que derrubavam as arribações. Olhando o céu ele via cada vez menos nuvens, era a seca chegando. Lembrou-se de sua caminhada, da sua prisão, das contas com o patrão... E agora seria comido por arribações. Dirigiu toda sua angústia às aves, que em sua mente eram as responsáveis não só pelo fim da água, mas pela própria seca. Muitas outras caíram ao chão.

Fabiano carregou os bichos para servirem de alimento à família.

 capítulo anterior     |    Índice da Obra     |     próximo capítulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário